Como toda técnica nova, a Agricultura de Precisão (AP) gera muitas dúvidas em quem ainda não começou, mas tem vontade de começar. Pela rápida expansão de área e resultados proporcionados, o tema é muito falado, mas muita coisa básica não é explicada.

Pela pressão dos custos e busca por maior produtividade, cada vez mais produtores querem adotar a AP. Para ajudar quem quer começar ou está começando, elaboramos estas 5 dicas:

1) AP traz resultados, mas não faz milagre

Agricultura de Precisão é técnica e tecnologia, não há milagre. Cuidado se prometerem resultados milagrosos. As técnicas estão baseadas em conhecer as variações que existem dentro das áreas e trabalhar para tirar o melhor resultado de cada pedaço da lavoura. Não há como garantir ganhos imediatos, pois cada lavoura é única e os resultados dependerão também de como ela estava antes de se começar a fazer AP.

2) Lembre-se do básico

Fazer Agricultura de Precisão não trará bons resultados se os cuidados básicos com a lavoura não forem bem feitos. AP não consegue corrigir uma lavoura mal semeada ou plantada fora de época. Cuide do solo, ele é o seu maior patrimônio. No plantio direto, tem que haver rotação de culturas e cobertura do solo

Não se esqueça de fazer o básico bem feito, desde o planejamento, escolha de sementes e operações na lavoura.

3) Os resultados vem com o tempo

Existem casos em que os resultados são claros já no primeiro ano, pagando o investimento. Mas nem sempre isto ocorre, pois os resultados dependem de inúmeros fatores, como a situação anterior da área, e podem ter interferências de variáveis como clima e pragas. Os melhores resultados vem com o passar dos anos e o conhecimento que se acumula sobre a área.

Normalmente, inicia-se mapeando a fertilidade da área. Posteriormente, é possível mapear muitas outras informações como a colheita, a compactação, imagens aéreas e de satélite ou usar sensores que identificam parâmetros direto na lavoura. São informações que se somam e permitem um conhecimento detalhado da área. Não existe um único tipo de informação que falará tudo sobre a área.

Os resultados aparecem com os ajustes graduais do manejo para tirar o melhor proveito das características da área. E a gestão deixa de ser apenas baseada na experiência do produtor e sua equipe e passa a ser feita com números e dados.

4) O conhecimento é a base

Os equipamentos e softwares não trabalham sozinhos. É preciso pessoas capacitadas para coordenar seu uso. E o principal conhecimento necessário é o agronômico. Com conhecimentos básicos de informática, as ferramentas podem ser apreendidas com treinamento e prática. Mas sem uma boa base agronômica, não há como obter bons resultados de forma consistente. A base agronômica da Agricultura de Precisão é a mesma da boa agronomia, mas, ao invés de olhar as lavouras pela média, se analisará as particularidades de cada área.

Muitas vezes, para quem quer começar, um bom caminho é contratar um prestador de serviços de AP, que faça o mapeamento da área e oriente na aplicação das recomendações localizadas. Além dos equipamentos e da condição comercial, antes de contratar pesquise sobre o conhecimento agronômico de quem fará as recomendações da sua área, tente falar com quem já é cliente da empresa e assegure-se de que terá suporte e apoio após o mapeamento. Um bom trabalho de Agricultura de Precisão não pode se encerrar com a entrega dos mapas, deve seguir ao longo dos ciclos agrícolas.

Para quem tem áreas maiores e uma equipe agronômica qualificada já responsável pela área, o investimento para fazer a coleta de solo e o mapeamento na própria fazenda pode ser uma boa alternativa. Ninguém conhecerá melhor a área do que esta equipe dedicada, a AP será acompanhada durante todo o ciclo das culturas e as decisões sobre recomendação ficam em casa.

5) Busque produtividade

Com as técnicas de AP, é possível buscar uma redução de custos, com menor uso de insumos sem afetar a produtividade. No entanto, na maioria das vezes, esta redução é obtida usando-se a poupança de nutrientes presentes no solo. Em anos de cenário econômico difícil, pode ser uma alternativa, mas deve ser uma escolha consciente do produtor.

Por outro lado, o aumento de produtividade é um objetivo que pode ser buscado continuamente, atacando os gargalos de produção que a AP consegue identificar. É um objetivo sustentável, que pode ser alcançado, mantendo o nível de investimento sob controle e medido, através das decisões baseadas em números.

A não ser em situações especiais, a busca contínua por maiores produtividades deve ser o objetivo, calculando os custos de forma mais precisa.

Copyright - Falker - 2017. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida desde que na íntegra e citando a fonte "Falker - www.falker.com.br".

Entre em contato conosco

Fale com os especialistas e obtenha todo apoio para iniciar seu trabalho com Agricultura de Precisão